Trabalhador da indústria de emergentes recebe até 1/5 do trabalhador industrial dos países ricos

    133
    0

    Mais uma publicação que reputo verdadeira e consoante com a realidade dos fatos. Após eu ver publicação absurda de que o Brasil pagava melhor do que a Europa e os EUA (lembram?!?!), durante a crise financeira no período de 2008/2010 (a crise permanece, mas a publicação da informação de melhores salários aqui foi nesse período de 2008/2010), finalmente uma notícia correta, vinda de um relatório da OIT e que está em sintonia com o que acreditamos: (a) o ganho de produtividade da economia não pode ser feito com base em cortes de salários dos trabalhadores, (b) há um hiato injusto entre o trabalho remunerado nos países emergentes e nos países centrais do capitalismo mundial e (c) o crescimento de economiae produtividade deve ser feito em consonância com a valorização da mão-de-obra do trabalhador.

    Verjam o trecho que selecionei do artigo comentado:

    “O relatório adverte que os encarregados de tomar decisões políticas deveriam ter cuidado de não promover a produtividade às custas dos salários com o objetivo de conseguir maior produtividade e promover as exportações. Segundo a OIT, os países deveriam evitar a estratégia de sair da crise com cortes de salários. É preciso, sugere o documento, promover uma conexão maior entre o crescimento da produtividade do trabalho e o crescimento das remunerações dos trabalhadores.”

    Acesse o artigo integral em http://oglobo.globo.com/economia/trabalhador-da-industria-no-brasil-ganha-quase-um-quinto-do-recebido-nos-eua-6963804

    Este tipo de artigo, este tipo de publicação é apoiado pelo Blog Perspectiva Crítica, porque é verdadeiro, porque incentiva a justiça remuneratória, porque valoriza o trabalho e realiza justiça social dando subsídios reais para incrementar a riqueza do indivíduo em proporção ao PIB e em sintonia com seus equivalentes paradigmas em outros países no mundo.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui