Artigo informativo da Folha de São Paulo: cresce o percentual de servidores públicos x população ocupada em metrópoles brasileiras

    75
    0

    Senhores, verificando as origens de acesso ao Blog Perspectiva Crítica, pudemos notar que tem havido acesso de grandes sites de informação, inclusive ligados a grandes veículos de mídia brasileiros. Nada nos garante maior lisonja.

    Será importante essa troca que pode ocorrer entre a pauta e a máquina da grande mídia e as propostas de temas de nossas pautas de comunicação do Blog Perspectiva Crítica e de outras mídias sociais.

    Muuitas vezes pudemos notar uma coincidência de temas, mais natural pela relevância dos mesmos, e umas notícias posteriores a nossos artigos que praticamente respondiam questionamentos nossos. Isso seria fantástico se realmente denotasse essa concreta troca e complementariedade. Mas dessa vez pudemos constatar o acesso ao blog por um endereço que remete ao UOL e à Folha de São Paulo.. quem diria, e que sorte.. justamente o mais informativo canal de mídia das três grandes (Globo, Estadão e Folha).

    Ao acessarmos de volta o endereço fomos direcionados a uma informação importantíssima que buscávamos e sobre tema que reverenciamos aqui: a necessidade de aumentarmos a relação servidor público x trabalhador brasileiro, já que a última pesquisa da OCDE disponível indicava que nós estávamos abaixo da média das 30 mais ricas nações mundiais nesse quesito.

    Em torno de 2010 o Brasil tinha média de 10,6% de sua força de trabalho como servidores públicos enquanto os EUA tinham 14,5% e Dinamarca 39%, por exemplo. E vejam, os funcionários públicos norte-americanos têm estabilidade também.. rsrsrs, assim como alemães, franceses.. etc..

    Agora vejam, a Folha de São Paulo publicou que o percentual de servidores públicos em relação aos trabalhadores empregados vêm crescendo em todas as regiões. Segundo o artigo publicado, e acessível em http://dinheiropublico.blogfolha.uol.com.br/2013/10/24/proporcao-de-servidores-publicos-na-populacao-ocupada-e-recorde/, intitulado “Proporção de servidores públicos na população ocupada é recorde”, São Paulo tem 6,2% de servidores públicos dentre todos seus trabalhadores ocupados, o Rio de Janeiro, 10,5%; Recife, 9,6%, Belo Horizonte 8%, Salvador 8% e Porto Alegrae 7,7%. Desses pólos metropolitanos, todos subiram de percentual desde setembro de 2012 até hoje, menos Salvador que caiu 0,5%.

    Agora veja, a notícia foi de boa qualidade. Não fez alarde nem tomou partido de que isso seria bom ou ruim. Contou um fato, como um jornal de qualidade e respeito deve fazer. Cabe a você criticar e achar isso bom ou ruim. O Blog Perspectiva Crítica existe para criticar notícias e se posicionar. Então, diante dessa informação o que tem a dizer?

    Temos a dizer que esta notícia não nos catapultou à frente das nações ricas, principalmente as nórdicas, no que pertine à relação servidores x população empregada total. O serviço público no Brasil estava e está totalmente sucateado não só em estrutura física ou de equipamentos, mas de pessoal. Salários baixos, falta de planos de carreira e falta de concursos sucatearam a capacidade de o Estado brasileiro prestar serviço público em quantidade e qualidade para a população.

    Vemos com bons olhos que essa proporção de servidores públicos entre os empregados do Brasil aumente. Não só porque isso garante estrutura humana para atender a população que carece de serviços públicos de toda natureza; não só porque prestar serviço público ao cidadão é dar-lhe retorno pelo imposto pago, mas porque isso aumenta a qualidade de vida do brasileiro, como aumentou e mantém alta a qualidade de vida do cidadão europeu.

    Convém sublinhar ainda que a criação de empregos e cargos públicos é necessária em uma economia que cresce e para ampliar a rede de Bem -Estar Social, assim como isso cria opção de emprego de qualidade ao cidadão brasileiro e enxuga o mercado de trabalho, contribuindo para uma necessária valorização dos trabalhadores brasileiros que permanecem na área privada ou que para lá são atraídos por ofertas melhores, as quais a área privada fica obrigada a oferecer para manter e atrair bons trabalhadores para suas equipes.

    Por fim, os dois países europeus que menos foram abalados pela crise financeira internacional foram, além dos nórdicos, Alemanha e França, justamente os países com mais servidores públicos. Por quê? Porque não sendo desempregados de imediato como ocorreu em massa na área privada, suas remunerações se mantiveram e esses valores puderam ajudar a manter a economia destes países girando, enquanto a área privada se petrificou diante do caos financeiro que se instalou pela desregulamentaçao do mercado financeiro, em especial no tocante ao lançamento e comercialização de títulos sub prime.

    Então, somente uma análise responsável, fria e profunda pode dar a real dimensão dos resultados favoráveis, para o Brasil, do restabelecimento de um mínimo de quantidade, com a melhor qualidade possível, de funcionários públicos capacitados e aptos a prestar serviços públicos aos cidadãos, bem como de existir cargos públicos suficientes para proteger o giro econômico em momentos de crise, além de garantir uma concorrência mínima com a área privada pelo trabalhador brasileiro, de forma a valorizar a mão-de-obra deste mesmo trabalhador, hoje, excessivamente explorado em mercado.

    Importante ainda o artigo da Folha, ora em comento, corroborar que grande parte do aumento de servidores públicos federais teve como destino a área de educação… isso é informação que não se vê publicada todos os dias e mostra coerência do governo petista.. pois se criaram quatro universidades federais e 214 escolas técnicas, é óbvio que seria necessário contratar professores, auxiliares administrativos, para todas essas novas unidades escolares.

    O artigo também foi honesto ao informar que o aumento desta proporção nos grandes centros metropolitanos não pode ser remetida exclusivamente  às contratações de um ente federativo, seja a União, Estado ou Município.

    Enfim, é uma boa informação, de qualidade, sem indução. Aguardamos o Jornal O Globo publicar que isso mostra o “evidente descontrole da máquina pública e dos gastos públicos” (tsc, tsc, tsc), mesmo que a conta-gotas esse mesmo meio de comunicação aponte falta de fiscais para aumentar a eficiência dos portos, falta de policiais rodoviários para coibir tráfico de armas, drogas e manter a segurança das estradas federais e em postos de fronteiras, falta de servidores da Defesa Civil para proteger as população serrana do Rio de Janeiro de desabamentos, falta de médicos, falta de professores.. etc.. etc..

    Parabéns à Folha de São Paulo… tenho ouvido muitos elogios à sua redação por amigos meus de todas as matizes partidárias… será bom algum dia podermos publicar no Blog Perspectiva Crítica que um jornal da Grande Mídia é confiável, mais imparcial e informativo do que partidário e indutivo. Parece que esse troféu, se algum dia for entregue pelo Blog Perspectiva Crítica, caminha para as mãos do jornal paulista Folha de São Paulo, ganhando por uma cabeça do Jornal do Commercio, porque A Folha publica matérias mais próxiams do cidadão brasileiro, enquanto o Jornal do Commercio, apesar de ser um excelente jornal carioca informativo de abrangência nacional, é mais voltado para a realidade de empresas.

    p.s.: texto revisado e ampliado.

    p.s.2: Acesse também http://www.perspectivacritica.com.br/2012/07/qual-quantidade-ideal-de-servidores.html
    http://www.perspectivacritica.com.br/2013/06/brasil-x-mundo-servicos-publicos.html

    p.s.3: Título do texto alterado para melhor adequação informativa. Era: “Artigo informativo da Folha de São Paulo: 6,2% é o percentual de servidores públicos x população ocupada em São Paulo”.

    p.s. de 11/04/2014 – texto revisto e ampliado.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui