Àrea privada prejudica projetos e economia brasileira! Grave!

    65
    0

    Senhores, peço que pesquisem por si próprios, pois esse tipo de o informação chega a mim mas não tenho como pesquisar cada fato comentado. Mas a questão é gravíssima e é omitida pela mídia convencional que vende a idéia de ineficiência do Estado e do Governo, quando na verdade temos grandes prejuízos à economia brasileira e à realização de projetos de logística e sociais por conta da ineficiência da área privada!

    Já sabemos que a AES, empresa americana que deu cano no BNDES por abandonar a empresa de emergia elétrica privatizada com financiamento do BNDES, prejudicou investimentos no sistema de energia elétrica e gerou prejuízos ao BNDES, em um bom exemplo da ética adotada na área privada em relação à consecução de projetos públicos e de interesse público, mesmo com dinheiro público!!

    Já sabemos que na Argentina, houve abandono pelas empresas privadas que ganharam a licitação de administração de águas e esgoto e também de administração de linhas de trem, deixando os argentinos a ver navios, tendo o Estado que retomar os serviços para garantir continuidade de prestação de serviço público e impedir o caos.

    Esses três casos forma muito mal divulgados pela imprensa. Temos também os casos aqui da Light, com bueiros explodindo e matando cidadãos e estrangeiros, o que não ocorria quando a Light era pública, e temos o exemplo da “excelente” gestão do metro e trens pela Supervia, que deixam volta e meia usuários à pé e algumas vezes tendo de andar pelos trilhos.

    Nada disso gera reprimendas dos jornais contra esses crimes contra o interesse público, claro.

    Recentemente, e aí a informação que publicamos agora, Fábio Megale, nosso mais atuante comentarista e seguidor, nos brindou com a informação de que o contrato  desfeito pela China por problemas logísticos de carregamento de soja no porto, apesar de ter sido noticiado como um problema de ineficiência do Governo (com o que em parte concordo por falta de deslanchar investimentos adequados), NA VERDADE SERIA CULPA DA ÁREA PRIVADA POR DOIS MOTIVOS: 1) O PORTO CULPADO É O DE SANTOS, QUE SERIA PRIVADO!! E 2) O ESCOAMENTO ATÉ SANTOS SERIA CULPA PRIVADA MAIS UMA VEZ, PORQUE A RFFSA FOI PRIVATIZADA E OS INVESTIMENTOS PRIVADOS PARA A EXTENSÃO DA MALHA NÃO OCORREU, MESMO EM CORREDORES DE USO CERTO COMO O DESTINADO A ESCOAMENTO DE PRODUÇÃO PARA O PORTO DE SANTOS!!

    Isso é muito grave. Não pude verificar, mas são informações vindas de Fábio Megale, que é um meticuloso investigador nato deste tipo de assunto que interessa ao Blog. Peço aos leitores que investiguem e rebatam estas informações ou a confirmem, pois não dará para mim.

    Mais uma vez, no entanto, e agora com fontes, Fábio Megale nos informa que as obras de transposição do São Francisco não terminaram por abandono das empresas privadas em realizar a sua parte, tendo o Exército já realizado a dele e agora sendo obrigado a construir a parte abandonada pela área privada!!

    E também nos traz a informação que o Exército, ao contrário das construtoras privadas que sempre precisam de mais dinheiro para realizar suas obras licitadas, ampliou o aeroporto de Guarulhos e após terminar a obras devolveu 150 milhões de reais para o governo!!!!!

    Veja estas duas matérias nas palavras de Fábio Megale:

    “A parte Norte e Oeste da transposição do Rio São Francisco que ficou a cargo do Exército Brasileiro foi concluída, enquanto, que a parte Leste dos consórcios das empreiteiras foram abandonadas. Perda do investimento Estatal e agora a conclusão ficará também a cargo do Exército Brasileiro:

    http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2012/02/exercito-anda-mais-rapido-que-empreiteiras-na-obra-da-transposicao.html

    Então, senti-me à vontade para chamar atenção de outro ponto que as agências de rating certamente não avaliaram em relação ao aproveitamento do investimento, com uma notícia que não lemos na grande mídia, como a seguinte:

    “Exército termina reforma de aeroporto e ainda devolve R$ 150 milhões que foi economizado na obra”

    http://cofemac.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=5407&Itemid=9999

    Refere-se a reforma do aeroporto de Guarulhos, em São Paulo.

    Parece até notícia mentirosa visto que você não consegue encontrar em nenhum jornal de grande circulação: nem O Globo, nem Folha, nem Estação, nem Correio Brasiliense, nem Zero Hora, mas é verdade, veja seguir no site da Resenha do EXERCITO BRASILEIRO e também no site da Associação dos Militares da Reserva no DF:

    http://www.exercito.gov.br/web/midia-impressa/noticiario-do-exercito?p_p_id=noticias_WAR_noticiasportlet_INSTANCE_cZy7&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_count=3&_noticias_WAR_noticiasportlet_INSTANCE_cZy7_journalArticleId=1529553&_noticias_WAR_noticiasportlet_INSTANCE_cZy7_struts.portlet.action=/view/arquivo!viewJournalArticle&_noticias_WAR_noticiasportlet_INSTANCE_cZy7_struts.portlet.mode=view#.UVD_mhdzF8F

    http://www.amarpfa.com/exercito-reforma-aeroporto-guarulhos.php

    O que é lucro? O que é prejuízo? O que é política de Estado? O que objetiva a visão externa do investimento?

    Conclusão, a questão está na acreditação do contexto do investimento público ou privado, assim, deve-se macular uma para enaltecer a outra. Essa é a VISÃO EXTERNA sobre o Brasil que interessa ao investidor de mercado.

    Vimos isso na Petrobrás, vimos nas Companhias Elétricas e, da mesma forma, veremos no segmento bancário estatal, pois para Banco Privado competir com aqueles juros oferecidos por eles e do pesado investimento na produção brasileiro, tá difícil hein? Mas, as agências não projetam o retorno disso!

    Abraços!”

    Eu somente quero a verdade. Mas a verdade não é publicada, não é amigos? Fiquem com esta noção de que nem tudo que não funciona, nem tudo que não se resolve não é por culpa do Estado, de servidores ou do Governo.. mas por culpa da área privada que não faz a sua parte!!

    Nós estamos aqui para publicar o contraponto. Não somos a favor do Governo. Somos a favor da verdade. Se a mídia mentisse a favor do governo, publicaríamos o contraponto. Como a mídia mente a favor de empresas, publicamos o contraponto.

    Fico feliz de estar, junto com meus amigos, leitores e seguidores, realizando isso, realizando esse sonho. Em busca da verdade!!

    Abs a todos e um abraço especial ao Sherlock Megale!! Cara, você é fantástico!!

    p.s.: quero deixar claro que ao contrário da mídia convencional, que escolhe demonizar o Governo e não ressaltar a responsabilidade de empresas privadas nas mazelas dos serviços públicos prestados à população, na medida em que existem, o BLOG PERSPECTIVA CRÍTICA tem como objetivo ser honesto com o Governo e com a área privada. Não demonizamos em um, nem outro. Criticamos erros de ambos e enaltecemos eficiência e acertos de ambos. Para nós, ambos constroem o Brasil e ambos são importantes. Na medida em que criticamos artigos desinformativos publicados pela grande mídia, e na medida que a escolha desta é demonizar o Governo e proteger a área privada, assassinando a verdade, naturalmente nos parece que, por enquanto, nossos leitores se depararão com publicações do Blog mais no sentido de contrapor a mídia e, portanto, sublinhar aspectos positivos do Governo que são renegados pela mídia e acusar os erros e ineficiência do setor privado que igualmente são renegados pela mídia. Assim, cumprimos nosso papel de realizar o contraponto da desinformação midiática, garantindo a nossos leitores acesso a mais e melhor informação do que a que encontra exclusivamente publicada na grande mídia convencional de mercado. 

    p.s.2: importante salientar que as falhas da área privada não excluem as falhas da área pública. Por exemplo: o fato de não ter ocorrido investimentos em malha viária da privatizada RFFSA e também falha de gestão, investimento e organização do privatizado Porto de Santos, não exclui o fato de o governo demorar para fazer o marco regulatório dos portos e investimentos que lhe cabem em transportes, como não ter terminado ainda e com excesso de perda de tempo arcos rodoviários em São Paulo e Rio de Janeiro. O correto é publicar o conjunto de fatores reais que criam gargalo logístico, imputando à área privada e à área pública a correspondente e verdadeira parcela de culpa no fato de a China ter cancelado o contrato de compra de 5% da produção de soja brasileira.

    p.s.3: Referente a este tema, conheça um caso publicado e específico de abandono de serviços públicos pela área privada na Argentina no artigo do Blog acessível em http://www.perspectivacritica.com.br/2012/02/caso-escabroso-resultado-da.html

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui