Comentário Econômico Fevereiro de 2013 – cenário positivo para o ano

    32
    0

    Quem viu o programa Conta Corrente de ontem, dia 27/02/2013? Corroborou o que o Blog Perspectiva Crítica vem enfatizando sobre índices econômicos.

    Mencionou que a tendência é de arrefecimento da inflação (que atualmente está alta), por causa da grande safra ocorrida. Os agrícolas pressionarão a inflação para baixo, ao que tudo indica, tendo sido ano passado o grande vilão inflacionário.

    Otimismo na produção industrial para o ano de 2013 e possibilidade de crescimento melhor do PIB do que 2012, tanto por questões internas (continuidade de criação de emprego, mesmo que em menor ritmo, continuidade de crescimento de renda e diminuição ou estabilização de dívidas das famílias) como externas, em que a crise mundial se apresenta melhor debelada (perspectivas melhores para EUA, Europa e estabilização do crescimento chinês em torno de 8% para 2013).

    Em função disso, desfaz-se quadro de pressão para aumento de juros selic e apresenta-se cenário de manutenção de juros a 7,25%, quiçá até o fim do ano. Reconhecimento de impacto positivo na inflação da grande queda de custo da energia elétrica (o que obviamente era certo!), puxando o índice de fevereiro para baixo fortemente.

    Ainda foi noticiado o maior resultado de superávit histórico no mês de janeiro, em R$30,2 bilhões de reais, o que sozinho garantiu 1/5 de todo o superávit fiscal definido como meta para o ano de 2013. Esse valor só precisava ser atingido em meados de março!! Ou seja, total controle fiscal com, mais uma vez, pressão positiva sobre a inflação e, mais uma vez, indicando desnecessidade de aumento de juros selic para controle inflacionário.

    Pois é, senhores, o quadro apresentado pelo Conta Corrente ontem não poderia ser mais favorável, a meu ver. Foi verdadeiro para o que vemos e corroborou o que dissemos sobre juros e inflação muito antes, já em janeiro, quando criticávamos as posturas mentirosas da mídia convencional que noticiavam sensacionalistamente descontrole inflacionário, racionamento energético (isto foi um crime contra a verdade.. tsc, tsc, tsc), necessidade de aumento de juros selic (é sempre assim,.. a primeira medida exigida pela mídia financeira.. e única na verdade.. atrás de garantir lucros dos bancos.. tsc, tsc, tsc) e descontrole fiscal e maquiagem da situação fiscal.

    Só para vocês que ainda não sabem, a contabilização tardia de importações de derivados de petróleo da Petrobrás, que se fossem realizados todos em dezembro de 2012 prejudicariam números da balança comercial, ocorre porque a Receita Federal não aceita mais o registro dessas importações com cópias de documentos, mas exige a juntada de originais dos documentos das transações, o que demora um pouco mais. Pode ter sido manobra? Sim. Mas não foi maquiagem como exercício de voluntarismo da Petrobrás ou autoritarismo do Governo.

    É isso. Perspectivas do Blog se confirmando sempre de forma atrasada na mídia convencional.

    E recentemente (dois ou três dias) um economista de uma grande instituição financeira, que acertou PIB, inflação e juros dos últimos dois anos, mesmo contra as previsões de mercado e do governo (em especial as previsões do ano passado de pib ruim e inflação mais alta), teve sua posição publicada no Jornal O Globo no sentido noticiado ontem no Conta Corrente: inflação controlada e dentro da meta cheia de inflação, PIB forte em 4% e juros, parece, que inalterados ou no máximo com mais 0,25% no fim do ano.

    Ótimas notícias. É o que vemos. E é pelo que torcemos também. Às vezes torcemos por algo e vemos outra coisa. Mas ainda bem que o quadro que se apresenta é o mesmo que se deseja.., desde que não haja uma surpresa dantesca, claro. A confirmar.

    p.s. de 06/03/2013 – texto revisto. O analista que acertou nos últimos dois anos a inflação, juros e PIB, mesmo contra as previsões de mercado e do Governo é o Economista-Chefe Nilson Teixeira do  Credit Suisse.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui