Reajuste de salário no setor privado x Falta de reajuste no setor público

    32
    0

    Muito importante sabermos da verdade. Artigo de hoje, 28/10/2013, no Jornal O Globo, na página 22, tem o seguinte título “Após bancário e petroleiro, reajuste de metalúrgico ganha da inflação”. E o setor público, que é responsável por prestar serviço a toda a população independete de se for rico ou pobre?

    Há mais de dez anos os reajustes na área privada são superiores à inflação, mas na área pública não há por qualquer ente federativo, na mão de qualquer governo, seja psdbista, seja petista, política de reajuste do servidor público. Pior, nenhum governo municipal, estadual e, certamente, nem o Federal, garantem sequer a reposição da inflação às remunerações dos servidores públicos ano após ano, mesmo sendo determinação constitucional.

    Nós do Blog ficamos satisfeitos com os ganhos reais ano a ano obtidos pelos trabalhadores do setor privado há mais de dez anos. Os lucros das empresas crescem a números sempre maiores do que os reajustes, o que significa que o reajuste simplesmente tenta, defasadamente, equilibrar a relação salário x lucro, ou seja, equilibrar a participação do trabalhador no produto de seu trabalho e na riqueza do País, em relação à participação dos lucros empresariais, o quais são festejados igualmente por nós desse Blog.

    Nós queremos que haja muito lucro para as empresas e que haja participação responsável e razoável do trabalhador nesse crescimento de riqueza. O incentivo constitucional e governamental de distribuição de lucros (compensando-se tributariamente a empresa que preveja participação nos lucros e prevendo pagamento menor de imposto de renda sobre essa parcela remuneratória do que a que recai sobre o salário) é uma forma de incentivar a sociedade a cultuar uma participação maior do empregado nos resultados das empresas e manter a relação participação do salário no PIB x participação dos lucros no PIB equilibrada.

    Uma outra maneira é concedendo reajustes anuais salariais acima da inflação desde que abaixo do nível de crescimento da lucratividade da respectiva empresa e em consonância com o mercado de trabalho nacional e, quiçá, mundial. Salário reajustado não é sinônimo de perda de lucratividade para a empresa, pura e simplesmente como é apontado muitas vezes por jornais. É claro que salário aumenta custo, mas existe uma razão nessa dinâmica lucros x salário que é positiva e ninguém sabe e ninguém estuda.

    Observe que na Europa os salários são maiores para praticamente todos os cargos privados ou públicos. Mas a economia lá é maior e as empresas européías e americanas dominam os mercados. A China, Coréia têm empresas que estão crescendo e dominando mercados, e juntamente com isso os salários sobem também e alimentam um ciclo retroalimentante positivo na economia desses países.

    Bem, sem fugir ao tema do título. Se salário gira a economia; se é justo que ninguém deva ter salário defasado e corroído pela inflação; se os trabalhadores da área privada recebem anualmente correções acima da inflação, por que não temos o mesmo apreço ao mesmo direito remuneratório dos servidores públicos?

    Enquanto a área privada conseguiu os reajustes acima da inflação durante mais de dez anos, os servidores do Judiciário Federal obtiveram em 2011 o direito de receber a reposição inflacionária dos útlimos seis anos!!! Ou seja depois de seis anos sem reajuste inflacionário, os servidores obtiveram através de greve e muita negociação, contra as publicações da mídia, o direito de receber a correção inflacionária perdida durante seis longos anos anteriores!!! E além da perda de todos esses anos, o reajuste inflacionário será concedido em três vezes, pagos ano a ano, em janeiro de 2012 (já foi), 2013  e 2014!! Sem haver nesses anos as respectivas correções inflacionárias, claro!! Que depois de acumularem, virarão pedidos de correção para os movimentos de greve e manchetes de pedidos de AUMENTO pela grande mídia…

    Fica aqui essa ponderação e essa denúncia. Trabalhadores privados têm anualmente respeitado o direito à correção inflacionária, e têm conseguido com bônus (aumentos reais). N´s vemos isso como vitória da classe trabalhadora. Mas os servidores públicos vivem um apartheid dessa realidade e não conseguem sequer correção inflacionária. Não importa que ganhem mais que a média dos trabalhadores.. gerentes de empresas estatais no Banco do Brasil, CEF e Petrobrás também recebem reajuste quando os bancários e petroleiros as obtêm.

    Sem o respeito ao reajuste inflacionário dos servidores públicos, inclusive os que ganham o topo como Juízes, Promotores de Justiça e Consultores do Senado,  e outros servidores de topo, há desrespeito a direito remuneratório, tratamento desigual entre trabalhadores do setor público e trabalhadores do setor privado, menos valorização dos servidores públicos para realizarem seu trabalho, menos valorização de carreiras que podem ser preenchidas a qualquer momento por qualquer brasileiro que se determine a passar em concurso público, além de haver menos valores em economia para turbiná-la e poder haver prejuízos na quantidade e qualidade de prestação de serviço público prestado à população por desestímulo do servidor público que vê seu salário corroído ano a ano pela inflação.

    Denunciamos o tratamento preconceituoso da mídia contra os reajustes inflacionários dos servidores públicos. E compartilhamos a alegria de mais um ano de reajustes acima da inflação para os trabalhadores da área privada de amplos setores da economia.

     

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui