Empregadas Domésticas Formalizadas. Cientistas Brasileiros, não.

    59
    0

    Em entrevista ontem no excelente Programa Roda Viva da da EBC (Empresa Brasileira de Comunicações – TV Pública), a Neuro-cientista Suzana Herculano-Huzel, além de explicar as fantásticas dimensões, características, capacidades e tudo o mais sobre nosso cérebro, deu duas chocantes informações: cientista não é emprego formal e o acesso a financiamentos de pesquisa depende de panelinhas políticas no meio acadêmico.

    Ela mesma somente pode desenvolver pesquisa, apesar de sua excelência, em função de um financiamento da FAPERJ que previa como condição para recebê-lo não ter recebido nunca financiamento de pesquisa, ser cientista novato, não ter participado em nenhum grupo de pesquisa e coisas do gênero, ou seja, que fosse um abandonado científico!!

    Essa mulher publicou em diversas revistas especializadas, inclusive estrangeiras, vem levando a vida de cientista dela, que escolheu para si, que a realiza e que gera desenvolvimento para o Brasil, para os brasileiros e para o mundo, e não existem financiamentos disponíveis a ela, retiraram o último que ela tinha e pior, NÃO HÁ FORMALIDADE DO EMPREGO DE CIENTISTA!!

    Isso significa que ela não tem garantias de jornada de trabalho de oito horas, FGTS, INSS, auxílio-creche, NADA, NADA, NADA. Um cientista precisa ser pós-graduando, mestrando, doutorando, pós-doutorando, para continuar a receber bolsas miseráveis brasileiras de R$3 mil reais (depois de aumento de 100% concedido pelo Lula!!), e não têm carreira, não têm direitos trabalhistas e, no máximo, podem se empregar como professores, sem nunca terem dado aula!!

    Pessoal, há algum problema em um País que já chegou ao ponto de formalizar o emprego de empregadas domésticas (em momento errado e precipitado, na visão do Blog), que formalizou o emprego de repentista e de jogador de futebol, mas não o faz com o cientista!!

    O fato de o mesmo ocorrer em outros países no exterior não diminui o absurdo de isso acontecer no Brasil!!! E no exterior este fato é contrabalanceado pelo fato de que bolsas de estudo na Itália de mestrado e doutorada pagam entre 11 e 15 mil euros e na Alemanha pagam 17 a 21 mil euros!! Fora os financiamentos disponíveis para pesquisa científica!!

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui