Depredações no Leblon e na Assembléia Legislativa: estranha ausência da PM

    52
    0

    Pessoal, quero deixar claro que nossa polícia militar tem total condição de impedir ou no mínimo se infiltrar, identificar e prender os vândalos.

    O que ocorreu no Leblon, depois que houve a passeata de centenas de pessoas e de forma pacífica, foi vandalismo. E de um grupo bem menor. Usar máscara para simbolizar um movimento é uma coisa, mas usar máscara para quebrar patrimônio público, quebrar lojas, entrar em lojas e destruir estoques.. isso é crime. E não tem nada a ver com a passeata no Leblon que ocorreu horas antes de forma pacífica na rua da praia em direção à casa do Governador.

    Ocorreru agora a mesma coisa que ocorreu na Assembléia Legislativa com a grande passeata no Centro em Junho. Depois de ocorrer um movimento pacífico de milhares, um grupo se deslocou para a Assembléia Legislativa para depredar e atacar os policiais. E a Polícia nada fez. A Polícia não tinha um grupo de atuação pontual. Por quê?

    A depredação da Assembléia ocorreu por no mínimo meia hora mas pode ter sido por mais de uma hora. Como não foi possível chegar um contigente específico ali na Assembléia, que fosse de helicóptero, para enquadrar, identificar e prender quem destrói?

    Na época da Assembléia, como foi novidade, eu até admito a incompetência. Mas na passeata do Leblon?!

    A inação da Polícia só pode ter duas respostas para mim: ou o Comando da Polícia Militar é incompetente para atuar em manutenção da segurança em manifestações ou há ordem do Governo para deixar que ocorram as depredações para que o movimento pacífico seja deslegitimado frente à população.

    Pelo que soube, no Leblon, ao fim da passeata pacífica chegaram 100 pessoas mascaradas que começaram as depredações. Eu sei que a polícia militar fardada não pode atuar um a um correndo dentro do grupo para prender alguém porque corre risco. Mas não pode ter um grupo infiltrado à paisana com máquinas fotográficas, como vários manifestantes têm, tirando foto e identificando os depredadores, e determinando a ativação de grupo de dez a vinte que prendam os primeiros vândalos e assim desorganizem a atuação dos outros?

    Os próprios manifestantes estão entregando os vândalos. É muito esquisito o que ocorre e não posso deixar de pensar na hipótese de ordem superior de laisser faire para queimar os movimentos e cansar a população.

    Não defendo que se endureça contra as manifestações. Defendo o simples e óbvio: que se use inteligência pra identificar e prender arruaceiros. Agora te pergunto: você acha que a Polícia Militar não sabe disso que estou escrevendo? Impossível!!!!

    Para mim o grande beneficiado das depredações é o governo, porque pode posar de coitadinho e vítima. Serão que não há meio termo? Será que tem que ser bomba a qualquer movimentação ou total liberdade a manifestações incluindo vandalismos?!?! Claro que não! Há meios. A polícia sabe atuar. Muito esquisito.

    p.s.: O Globo publicou hoje, 19/07, matéria sobre as depredações no Leblon em que o Presidente odo OAB/RJ teve a mesmíssima opinião que eu apresentei aqui. Veja o trecho selecionado:
    “O presidente da OAB-RJ, Felipe Santa Cruz, discorda do comandante da PM. Para ele, a polícia ou foi incompetente para lidar com a situação ou agiu de forma política, para jogar a opinião pública contra os manifestantes.”
    Acesse a íntegra em http://oglobo.globo.com/rio/cabral-acusa-grupos-internacionais-de-estimular-violencia-em-protestos-9098454
    Na companhia do Blog Perspectiva Crítica você está sempre na ponta da informação crítica e elaborada em relação à mídia convencional.

    p.s. de 24/07/2013 – vejam a denúncia gravíssima do Jornal O Globo de que PM do serviço especial teria se infiltrado no grupo de manifestantes e atacou a Polícia Militar com coquetel molotov!!!! Acesse: http://oglobo.globo.com/rio/videos-levantam-hipotese-de-que-pm-infiltrado-em-protesto-atacou-policiais-com-bomba-9156362

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui