Início Colunas Comentários a três casos: Vídeo “Delação”, do Porta dos Fundos, Projeto de...

Comentários a três casos: Vídeo “Delação”, do Porta dos Fundos, Projeto de Emenda Constitucional para Nova Eleição e o Risco Temer (janela da direita)

99
0
Brasilia - O presidente interino Michel Temer recebe o presidente da Armênia, Serj Sargsyan,no Palácio do Planalto. (José Cruz/Agência Brasil)

Importante que, ao menos, façamos comentários a três situações atuais graves. Vamos a estas questões e respectivos comentários.

Vídeo “Delação” do Porta dos Fundos

Gente, houve uma grande reação popular a este vídeo. Sim, aparentemente o Gustavo Chagas é a favor do PT. Mas há uma confusão com esse vídeo. O vídeo é do Porta dos Fundos e não do Gustavo Chagas. o vídeo faz uma piada com o fato de em uma investigação do Petrolão qualquer coisa que fizesse menção ao PT ter importância e o que fizesse menção a qualquer outra coisa ser negligenciado.

Bem, nós não vimos qualquer problema no vídeo. A piada não foi superengraçada.. remetia a uma crítica, porque hoje em dia tudo em relação ao PT é publicado e em relação a outros políticos e partidos não. O Procurador Janot acabou acertando essa diferença, quando pediu instauração de inquérito contra Dilma, Lula e Aécio.. mas vejam, a piada é livre. Pelo menos isso, né? rsrsrs

Observem que as mesmas pessoas que criticaram o Porta dos Fundos sobre esse vídeo não o fizeram quando foi ao ar o “Reunião de Emergência”, aliás, muito mais grave e contundente, ao nosso ver, do que o “Delação”. Então, a perda de 300 mil seguidores por causa do tema, nos pareceu exagerado. As críticas nos pareceram exageradas e até pareceram um controle antidemocrático. Quer dizer que para escrachar o governo pode ter piada, mas para ponderar pela perspectiva contrária não pode ter a piada? Pô, isso sim é uma piada.

Não vimos ataque ao trabalho da Polícia Federal, simplesmente porque ela é inatacável. Então, nos colocamos a favor da liberdade de expressão, a favor da liberdade de o Porta dos Fundos fazer a piada que quiser e contra todas as manifestações contra o vídeo “Delação”, deixando claro que não achamos um vídeo muito engraçado, mas mais crítico, o que também está dentro do espectro do direito da liberdade de expressão. Falar contra o direito do Porta dos Fundos fazer tal vídeo é flerte com a censura.

Projeto de Emenda Constitucional para Nova Eleição

Gente, isso é o cúmulo do ridículo. Isso demonstra o desespero da Presidente Dilma. Isso é um pedido de renúncia disfarçado.

Isso é contra o sistema presidencialista. O presidente é destituído por impeachment. Isso é o sistema presidencialista. Admitir este projeto de emenda é impossível pois viola a Constituição do Brasil. Somente no parlamentarismo é que existe o “recall”, que na verdade é a queda do primeiro-ministro. Então, instituir isso no Brasil é piorar o presidencialismo e descaracterizá-lo.

Se a Dilma oferece esse projeto de Emenda à Constituição é porque não acredita em sua defesa e não acredita em sua absolvição política. E quer fugir do impeachment que a impedirá de se eleger por 8 anos. Mas o país não tem que pactuar com esse desespero e essa palhaçada. É aí que se vê que realmente o PT topa fazer qualquer coisa e não se preocupa com as instituições e nem com as regras da República.

Qualquer um, político ou partido, que fizer propostas contra as regras da República deve ser denunciado e rechaçado pela sociedade. Quer renunciar, renuncie, nõa mude a regra constitucional.

Nós ficamos perplexos com a cada vez mais descomprometida atitude da Dilma e do governo do PT em lidar com este grave problema pelo qual passa, o processo de impeachment. Impressionante a cara-de-pau. Ficamos gravemente decepcionados. Sair de forma digna sempre é a melhor maneira. Pelo menos, se não por apego a princípios, em respeito a uma visão utilitária de longo prazo, o que o PSDB também perdeu ao votar contra a reinstituição da CPMF.

Nós do Blog Perspectiva Crítica sempre denunciaremos as atitudes levianas de visão no curto prazo, pois ´[e assim que se vê quem contribui para um Brasil de longo prazo e quem quer atuar para exercer o poder a qualquer custo.

O Projeto é ridículo, inconstitucional, não vai vingar e expôs o PT ao ridículo. Lamentável.

Risco Temer (janela de direita)

Temos de ficar atentos. O correto, e apoiamos, é o Vice-Presidente Temer assumir, caso o TSE não condene a chapa Dilma-Temer e a casse. Então, apoiamos que Temer assuma, no caso, quase certo, do afastamento de Dilma. Não interessa o que se diga dele. Somente se ele cair é que o Presidente da Câmara deve assumir (que graças a Deus não será o Cunha após a decisão do STF de afastá-lo), na falta dele o Presidente do Senado (que em breve não será o Renan também pelo mesmo motivo), e na falta deste o Presidente do STF, o qual, aí sim, poderá chamar nova eleição. A regra é essa. Quem quiser furá-la, está contribuindo para transformar o Brasil em República de Bananas.

Mas não fechemos os olhos. O PMDB, como todos sabem, é partido fisiologista e sem pauta filosófico-partidária. Só querem o poder e fazem de tudo para tê-lo. É importante, pois têm em seus quadros os representantes do poder e das propriedades no Brasil. Esse é seu perfil hoje. Mas temos de ver que, por isso, não têm pudor algum em aceitar qualquer bandeira que seja apresentada como “na moda”. O que é grave.

Neste momento, como um governo de esquerda está sendo destituído, não sem razão, há um reflexo de que tudo o que for diferente da bandeira de esquerda seja o correto. A mídia assevera isso. A oposição tem liberdade e certa legitimidade para apresentar isso como saída para “o que está aí”. Então, neste momento, mesmo que muitas coisas apareçam como problema (como custo de servidores), mesmo não sendo o problema (a queda de arrecadação aumentou o percentual do gasto com os servidores no pib desproporcionalmente – 230 bilhões de reais – e mesmo muito menor do que o gasto com pagamento de juros da dívida pública – pagamento de 600 bilhões de reais anuais), está criada a janela para a teoria do Estado Mínimo, venda de estatais, quebra da estabilidade do servidor, demissão de servidores, regularização da terceirização no Brasil (que acabará, na prática, com a CLT), mais terceirizações de serviços públicos de educação, saúde e mais o que se imaginar, inclusive cobrança de tributos.

É grave, pois tudo isso nos levaria para mais longe de um estilo de vida de qualidade superior, como existe na França, Alemanha e países nórdicos e tudo isso ataca principalmente a classe média, que perderá o serviço público como principal concorrente pela mão-de-obra mais intelectual no Brasil com a área privada.

Se tudo isso for implantado, como previa 75% das ações sugeridas há um ano pelo Armínio Fraga, toda a área privada se apoderará dos serviços e cargos públicos, será implantada a “meritocracia” em que o filho do rico, formado em Harvard sempre prevalecerá sobre o filho da classe média formada na PUC ou UFRJ, e os concursos públicos acabarão, sendo fornecidos engenheiros, economistas e advogados para empresas estatais através de currículo, de profissionais escolhidos por pools de cooperativas de trabalhadores ou milhares de “Price Waterhouses” que fornecerão seus profissionais de Harvard terceirizados para empresas públicas.

A concorrência pela mão-de-obra do brasileiro de classe média e/ou mais intelectualizado com a área privada acabará. A opção de emprego na área pública par ao filho do pobre ou da classe média acabará. Nada pressionará a área privada a aumentar salário, devido a uma economia não t~/ao grande como a dos EUA, apesar de nossa população ser quase tão grande como a de lá. O excesso de mão-de-obra somente prejudicará a pressão por salários maiores, o que hoje é contrabalançado pela existência de cargos públicos para empregarem esses profissionais da classe média ou pobre mais intelectualizados.

Se essa janela da direita se efetivar, o empobrecimento da classe média ganhará enorme proporção e o sonho de escola pública gratuita e de qualidade será enterrado, juntamente com o sonho de saúde pública gratuita de qualidade. Ficaremos mais próximos do sistema vigente nos EUA do que o vigente na França, Alemanha e países nórdicos, com a diferença que temos 1/7 do tamanho da economia norte-americana e não fazemos parte do centro do capitalismo mundial, nem o real é moeda padrão do comércio internacional.

Convém estarmos atentos nesta transmissão de cargo da Presidência da República para impedirmos o fim do sonho de uma social-democracia à europeia e a implantação de uma oligarquia empresarial à moda dos EUA. Esse na verdade é o maior medo de todos aqueles que são normais e defendem o fim do impeachment. Mas não é salvando a Dilma que defenderemos esse sonho. Ela tem que cair e o sonho tem que continuar. Tenhamos mais fé no Brasil. Ele já mostrou que é digno desta fé.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui