Início Política Análise dos Candidatos a Presidente da República 2018 e Declaração de Voto

Análise dos Candidatos a Presidente da República 2018 e Declaração de Voto

131
0

Finalmente depois de uma pausa sabática e necessária, e que resolvemos muitas coisas pessoais, profissionais e terminamos as preparações finais para a publicação do livro do Blog, intitulado “Blog Perspectiva Crítica: A guerra pelo PIB”, com lançamento a ser definido ainda este semestre, podemos voltar à ativa na produção de artigos.

Nada melhor do que, no contexto atual, nos posicionarmos, como fazemos de dois em dois anos a cada ciclo eleitoral, há oito anos, em relação aos principais candidatos à Presidência da República e, adotando a postura de jornais ingleses e americanos, declarar nosso voto e candidato predileto.

A análise das informações que se nos chegam por diversas fontes, em especial pelos debates e entrevistas efetuados pela mídia televisiva e impressa nos permite, nesta altura dos acontecimentos, perceber que Bolsonaro parece estar no segundo turno. A última pesquisa Datafolha indica 28% de intenção de votos para o Bolsonaro, 16% para Haddad e 13% para Ciro. Marina, seja no IBOPE, seja no Datafolha, derreteu. Alckmin, mesmo com todo o apoio dos partidos do Centrão, está na rabeira, com Meirelles e Boulos.

Nossa análise, como toda a análise, pressupõe algumas condicionantes seja para excluir uma hipótese de candidatura, seja para enaltecer uma candidatura. Os pressupostos são claros e simples:

1 – Tem que ser ficha limpa. Quanto mais ficha limpa, melhor. Foi condenado em primeira instância? Tá fora. Está respondendo a ação criminal por corrupção ou lavagem de dinheiro? Tá fora. Está respondendo a inquérito criminal? Menos mal, pois é fase investigativa, mas perde a chance para quem não está respondendo. Não está respondendo a nada? Ótimo. Está totalmente no páreo. Só três candidatos, dos mais em evidência não respondem a ações criminais ou inquéritos criminais: Ciro, Marina e Bolsonaro. Meirelles, Haddad e Boulos também não respondem a qualquer ação criminal sobre malversação de verba pública. A ação recém instaurada contra Haddad pela Procuradoria da República a 20 dias da eleição foi um absurdo. O momento de apresentação da denúncia foi violadora dos direitos políticos de Haddad e deve ser ignorada no atual pleito. O próprio Conselho Nacional do Ministério Público intimou os Procuradores para explicarem porque tomaram a medida tão perto da eleição, já que a investigação ocorre a mais de ano. Mas Haddad será excluído do páreo pelo segundo pressuposto do Blog. Boulos e Meirelles estão sem chance de vitória. Alckmin responde a processo por caixa 2 em campanha política… e isso depois de conseguir que seu processo saísse da classificação original de lavagem de dinheiro, como todos os políticos que foram condenados pela Lava jato responderam.

2 – O partido não pode estar elameado pela Lava Jato, com vários políticos condenados. A este quesito, mais uma vez satisfazem Bolsonaro, Ciro e Marina, daqueles mais votados. O PSDB, PT e MDB estão fora. Não merecem voto esses partidos porque traíram a confiança do brasileiro. O PDT de Ciro tem o Carlos Lupi, presidente do partido, que responde a inquérito por lavagem de dinheiro e peculato e é réu em ação por improbidade. Vejam, O Ciro não é o Lupi. O Lupi não foi condenado e é ficha limpa. Lupi não é o candidato e o PDT está com esse imbróglio que não tem sequer parâmetro de comparação com o PSDB, PT e MDB que possuem vários políticos condenados, com comprovação de desvio de dinheiro, caixa 2, corrupção, formação de quadrilha, de tudo que se possa imaginar, e que juntos foram responsáveis por mais de 40 bilhões de reais desviados da Petrobrás e de outros sistemas de corrupção e furos em procedimentos de licitação e todo o tipo de malversação do dinheiro público. Então, por esse parâmetro, repetimos, o PDT está dentro e o MDB, PSDB e PT está fora. Esse parâmetro ainda é útil por mais um motivo: pune os partidos que se utilizam do fisiologismo e do sistema de cooptação de políticos pelo governo, o que caracteriza a nossa secular política podre de “tomaladacá” que é o nosso “Presidencialismo de Cooptação”.

3 – O candidato deve dar respostas objetivas sobre como resolverá problemas concretos da Nação. Neste quesito, Marina some, porque ela não disse em diversas entrevistas soluções concretas para problemas concretos. Alckmin deu soluções concretas mas sobre questões superficiais que não mudam a vida do brasileiro para melhor e só a mantém como está. Ciro e Bolsonaro são os que apresentam respostas concretas para problemas concretos, cada um com um enfoque mais à esquerda ou mais á direita. Mas só o Ciro responde tudo. No caso do Bolsonaro, há uma falta de demonstração de domínio sobre muitos temas e o redirecionamento de tudo o que se refere à parte econômica ou fiscal para o Paulo Guedes, o que não é o melhor.

4 – O candidato deve ter experiência administrativa e demonstrar resultados. Neste quesito, somente Alckmin e Ciro satisfazem. Ciro, inclusive, demonstrou que dentre as 100 melhores escolas básicas no Brasil, 77 são o Ceará. Se o Estado é pobre, então isso é demonstração que o diferencial foi a gestão. Precisamos disso. Ele também garantiu mais de uma década de reajustes inflacionários anuais para os servidores públicos sem prejudicar as finanças do Estado. Então, mais uma vez, temos uma excelência na gestão, porque não é possível ter servidor público comprometido com a prestação de serviço público se não há previsibilidade de manutenção de valor de seu salário no tempo. Então Ciro garantiu a paz nos serviço públicos de saúde, educação e segurança, o que é essencial à sociedade.

5 – O candidato deve dar importância à Reforma da Previdência, Reforma Trabalhista, juros bancários exorbitantes praticados no Brasil, atenção ao tripé juros, câmbio e responsabilidade fiscal, bem como à inserção brasileira de forma autônoma no mundo, não ignorando o benefício do movimento Sul-Sul, criação dos Brics, manutenção e expansão do Mercosul e criação do Banco dos Brics. O candidato deve dar o devido valor estratégico à Petrobrás, Banco do Brasil, CEF e BNE e BNDE. Deve querer combater o excesso de cargos em comissão no serviço público, mas entender que o rótulo de inchaço da máquina pública é mero rótulo genérico e que a aproximação de uma máquina de servidores como a alemã, francesa e nórdica nos aproxima de seus respectivos IDHs.

6 – O candidato deve atacar o déficit fiscal pela despesa (austeridade fiscal), assim como deve o fazer pelo lado da arrecadação (justiça tributária, pedir contribuição de ricos e não só cortar servidores públicos, direitos trabalhistas e direitos previdenciários).

7 – O candidato deve manter programas assistenciais, como o Bolsa Família, e de preferência separar os gastos da Assistência Social dos gastos da Previdência Social, melhorando a transparência do Déficit Fiscal e do sistema previdenciário.

8 – As medidas sugeridas pelo candidato devem nos aproximar dos países de çmaior IDH no mundo, ou seja, nórdicos, alemãoes e franceses e não aos americanos, que hoje têm 20 milhões de cidadãos , 8% de sua população, morando em traillers, como recente publicação do Jornal O Globo confirma.

Considerando todos esses pontos, a campanha do Ciro é a que mais satisfaz o Blog Perspectiva Crítica, em seguida a Marina.

Ciro é ficha limpa. Ciro tem décadas de experiência na política, tanto no Legislativo como no Executivo. Ciro disse que tem como parâmetro a Alemanha. Nenhum candidato fez menção a um país de referência.Ciro disse que não é contra reforma trabalhista, mas que foi contra a que ocorreu. Concordamos plenamente.

A promessa de 2,5 milhões de empregos com a mera reforma trabalhista e mostrou um engôdo, como o Blog Perspectiva Crítica anunciou mais de uma vez.  Emprego é criado com crescimento econômico e não com a retirada de direitos trabalhistas e previdenciários pura e simplesmente. Depois da Reforma trabalhista salvadora de empregos, o Brasil amarga recorde em taxa de desemprego. Toda a sociedade foi chantageada e enganada.

Ciro tem resultados para mostrar de suas intervenções governamentais e de seu irmão, Cid Gomes. Como podem 77 escolas do Ceará constarem como dentro da lista das 100 melhores do Brasil?! Deve haver mais de 500 mil escolas públicas de Ensino Fundamental. Isso é gestão. O Brasil precisa disso. o Ceará é um Estado pobre, mas teve melhor resultado do que o Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Ciro disse que priorizará as parcerias Sul-Sul. O Blog concorda. O Fernando Henrique tentou aproximar o Brasil da Europa e Estados Unidos, os países ricos. Obteve palmas de universidades estrangeiras e só. Eles não quiseram. Mas o Mercosul é nosso terceiro destino de produtos industrializados. Os investimentos mútuos entre os parceiros já passam de muitos bilhões de dólares por décadas. O crescimento do Mercosul aproximou os povos da América do Sul e fortalece outros grupos multilaterais como o Unasul, fortalecendo vínculos de segurança territorial com autonomia em relação aos EUA, Europa e outros países de poder militar superior ao nosso.

Além disso, O Brics e o Banco dos Brics criam vínculos que fortalecem investimentos mútuos entre Brasil, China, Rússia, Índia e África do Sul, com potencial de expansão de nossos serviços e produtos para o mundo e a África, de forma autônoma, com financiamento de projetos que não satisfazem, por exemplo, os EUA, como a linha férrea que liga o oceano pacífico ao Atlântico que seira financiado pela China. Ignorar o caminho Sul-Sul é vender nossa independência e autonomia geopolítica e geoeconômica.

Ciro ainda disse que combaterá o MDB, assim como acabou com a influência do DEM no Ceará. E deu a receita: “vou fechar as torneiras da corrupção e do roubo… assim, eles, um grupo de ladrões perdem o vínculo de interesse mútuo e se desaglutinam” (citação livre). Se ele cumprir a promessa de acabar com o MDB dessa forma, pode contar com nosso apoio. O MDB é um câncer ativo no país.

O Ciro tem pontos fracos? Tem. Tem excessos? Tem, como o Bolsonaro. Mas cremos que alguns excessos podem ser contidos, assim como no caso de Bolsonaro, pelas instituições democráticas.

Bolsonaro, por sua vez, tem o grande valor de ser ficha limpa e de disposição para combater a corrupção, não demonstrando qualquer interesse em se unir ao compadrio da política brasileira. Foi “elogiado” em mais de uma delação da Lava Jato sendo afastado pelos delatores de qualquer movimento criminoso que intentasse desviar dinheiro público de qualquer forma.

Mas ele não tem experiência política no Executivo, não parece ter capacidade para trabalhar com o Congresso em termos respeitosos e democráticos, aliás, não descartando eventual dissolução do Congresso, sem se referir diretamente a esta hipótese… o desdém em relação ao Congresso é de nível leigo, do que até o povo gosta, naturalmente. É um risco para a democracia? Não sei. Creio que as instituições brasileiras são fortes e se manteriam, mesmo que fosse eleito.

O Bolsonaro, entretanto, peca ainda por não demonstrar pessoalmente as saídas para os nós econômicos do Brasil. Delega tudo ao Paulo Guedes. Vimos as entrevistas de Paulo Guedes e gostamos. Ele tem método. Ele é liberal e atuará dessa forma, mas não parece liberal só para beneficiar ricos e grandes empresas. Sugeriu a volta de algo como a CPMF, noticia que está dando debate, mas que apoiamos, bem como sugeriu imposto de 20% sobre a renda de pessoa física, renda de Pessoa Jurídica e sobre distribuição de lucros e dividendos… ninguém deixaria de contribuir e em moldes iguais. Apoiamos.

Bolsonaro defende valores conservadores da família e de educação. Nós somos a favor. Mas o conjunto da obra demonstra que é um candidato para usar em caso de não existir outras opções mais equilibradas. Ciro e Marina são mais equilibradas.

Marina pouco fala e só dá respostas genéricas quando interrogada sobre propostas concretas para problemas concretos. Assim, damos preferência ao Ciro, por se expor e tornar seus futuros atos melhor criticáveis, além de imediatamente mais auditáveis pelo eleitor. E Marina defende Banco Central totalmente autônomo, o que é uma raridade no total de países ricos.

Meirelles é do MDB, partido que é um câncer.

Haddad está em um partido que cortamos da lista de opções, pois o PT está elameado com a Lava Jato com diversos políticos seus presos ou condenados ou respondendo a inquérito, inclusive o Lula.

Boulos apresenta muita coisa interessante, mas o partido defende a Venezuela, apresenta muitas propostas mais utópicas e radicais à esquerda que não entendemos poderem surtir efeitos vigorosos para o país.     

Alckmin está respondendo a processo que agora está na Justiça Eleitoral, mas que foi uma sorte, pois deveria estar respondendo segundo a denúncia original, em Vara Federal Criminal e não por crime eleitoral, o sonho de todo o réu da Lava Jato. O PSDB está elameado. Não se pode enaltecer o partido e conceder-lhe votos.

Concluindo, os três políticos que não estão sujos ou ligados a partidos sujos e têm expressão de votos que podem alçá-los à Presidência são o Bolsonaro, Ciro e Marina. Ficamos com o Ciro. Nõa falaremos aqui das vicissitudes de suas propostas, que há também. No cômputo geral, Ciro fica com nosso voto.

Considerando as pesquisas recentes, dizemos que parece que o segundo turno pode ser entre Ciro e Bolsonaro ou Bolsonaro e Haddad. Acreditamos que se for entre Bolsorao e Ciro, Ciro tem muito potencial para ganhar, pois os eleitores petistas e de Marina, em sua maioria votarão em Ciro, pelo que acreditamos.

Mas se o segundo turno for entre Bolsonaro e Haddad, vencerá o que estiver mais forte: anti-petismo ou anti-bolsonarismo. Neste caso, seguindo nossa tradição de declarar voto, tristemente e com dor no coração, votaremos em Bolsonaro, pois o recado das urnas deve ser claro de rechaçar o “rouba mas faz”. Seria uma grande guinada sugerida, pois o Blog é de centro-esquerda. Entretanto, queremos a punição moral do partido do PT pelo que ocorreu na Lava Jato, além de que o Haddad está se encontrando com os caciques de sempre, Eunício de Oliveira, Jáder Barbalho.. e isso não é bom indicativo do que vem por aí… Bolsonaro e Ciro não fazem isso.

Queremos incentivar a nova política de fichas limpas. E cremos que, em 4 anos, o Bolsonaro não pode desconstruir o país, apesar de sua evidente e clara disposição liberal. Mas antes um liberal honesto no poder do que um candidato advindo de um partido elameado e fazendo contatos com antigos políticos de um sistema espúrio de compadrio e do antigo sistema de presidencialismo de cooptação. Excessos liberais serão limitados pelo Congresso e outras instituições de nossa democracia.

Não admitir a hipótese de voto nulo gera esse tipo de situação. Incentivamos a todos a votarem em qualquer candidato, mesmo que se depare com uma situação limítrofe como para o Blog seria a eleição entre Bolsonaro e Haddad. Os votos branco ou nulo somente transferem e hiper-dimensionam o voto de que faz as escolhas.

Resista ao receio de “escolher mal”. Não se importe com a acusação futura eventual de que seu eleito fez mal. Entenda que todos ou a maioria dos eleitores votam para o bem do país, não importa quem foi o eleito. Se o eleito trair o país, ele traiu a confiança depositada nele. Foi o que ocorreu, segundo a perspectiva do Blog, com o Collor (ninguém o elegeu para confiscar poupanças e se locupletar de desvios de verba pública), com o Fernando Henrique (ninguém o elegeu para comprar sua reeleição no Congresso), com o Lula (ninguém o elegeu para ocorrer que ocorreu com a Petrobrás e outros casos), com o Aécio que também responde criminalmente, com o Alckmin que também responde criminalmente. Se o leito fizer algo de errado, a culpa não é sua; é dele e ele será julgado nas urnas e talvez na Justiça pelo que fizer.

Então, querido leitor e querida leitora, vote! 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui